As 4 técnicas essenciais de facilitação

A facilitação é a arte de criar um ambiente e uma experiência através das quais os participantes são capazes de aprender conceitos por si mesmos. Nessa primeira postagem, compartilho 4 dicas essenciais de facilitação, do que venho aplicando ao longo dos anos, facilitando diferentes tipos de sessões nas organizações :

1 - Preparar

Já dizia William Shakespeare, “as improvisações são melhores quando são preparadas”. É nossa papel como facilitadores preparar todos os detalhes da sessão: seja ela presencial ou virtual. Precisamente no entorno virtual, antes da sessão, é importante checar: Veja quem é o seu público alvo: será fundamental para trabalhar na estrutura da sessão.

Atenção ao número de participantes: vale a pena ter a ajuda de um co-facilitador caso sejam muitos participantes. É extremamente desafiador e desgastante exercer mais de um papel na sessão (exemplos:treinador e facilitador, palestrante e facilitador)!
Ferramentas que serão utilizadas: as pessoas estão familiarizadas com essas ferramentas? É nosso dever como facilitadores treiná-las previamente e assim não consumir tempo da sessão.

2- Estruturar

Não basta criar sua PPT e pensar em dinâmicas divertidas. Não fique somente na ponta do Iceberg. É necessário observar o seu público alvo e o para quê dessa sessão/reunião. Podemos dizer: devemos como facilitadores desenvolver nossa visão helicóptero (visão sistêmica) para que nossa facilitação aporte valor.

Já ouviu falar de Estruturas Libertadoras e Learning 3.0? Serão alguns dos tópicos dos próximos artigos. Resumidamente adianto: são conceitos chave para facilitações nos dias de hoje, pois auxiliam a distribuir o controle para que os participantes possam eles mesmos moldar a direção à medida que a sessão se desenvolve.

3- Informar

A famosa frase “Data is the new Gold” também está sendo aplicada para a área das facilitações ao redor do mundo, ainda mais no entorno de trabalho em remoto, onde muitas vezes nos apoiamos em ferramentas digitais. Muitas ferramentas apoiam os facilitadores a tirar métricas, utilize a tecnologia ao seu favor !

4- Adaptar

Os que trabalham em entornos ágeis já conhecem e vivem na pele o conceito de “inspeção e adaptação”. Lembre-se de que, como facilitadores, não somos protagonistas da sessão. Muitas vezes planejamos a “sessão dos sonhos” mas lembre-se que deve haver um equilíbrio entre estruturar e adaptar.

Temos que, como facilitadores, sermos flexíveis e adaptar nossa “caixa de ferramentas” de acordo com o nosso olhar observador. Nos próximos artigos me aprofundarei mais em todos estes pontos. Você gosta do tema? Adoraria saber a sua opinião !

Até breve!

Tem interesse em saber mais sobre o tema?